Queremos Novos Tipos

Cartaz Campanha Eleitoral Telmo Correia 2007

O que têm em comum o restaurante Bica do Sapato, o ICEP Portugal, a Galp Energia, a rede Andante no Porto, as plantas de rede da Carris em Lisboa, a cerveja Sagres ou o candidato do CDS às eleições intercalares de 2007 à Câmara Municipal de Lisboa? Uma coisa muito simples: todos usam o mesmo tipo de letra na sua identidade visual.

Esse tipo de letra chama-se Dax, foi criado pelo alemão Hans Reichel em 1995, e é hoje uma impressionante família tipográfica de 54 estilos, pesos, e as mais inimagináveis adaptações de caracteres e alfabetos. Este extraordinário caso de sucesso do design tipográfico tem não só eco em Portugal – a verificar pelos exemplos citados – mas é hoje, pouco mais de 10 anos após a sua criação, o segundo tipo de letra mais vendido da editora alemã de tipos de letra FontFont, uma das maiores a nível mundial (o tipo nº 1 é a DIN, outro peso-pesado da tipografia das últimas décadas).

Apregoando qualidades como elegância, leveza, alguma neutralidade e uma grande versatilidade, a Dax tem sido profusamente usada em todo o mundo desde os anos 90, os quais lhe deram a forma e o estilo. É o tipo de letra por excelência dos redesigns, dos restylings, dos facelifts de identidades de multinacionais algumas delas centenárias, e muitas delas desejosas de se livrarem da sua “pesada” estética moderna do pós-guerra (leia-se Univers ou Helvetica), cujo exemplo maior é exemplo a UPS, a qual trocou um antiquado embrulho por um volumétrico escudo. Ou de marcas nacionais como a Sagres, que perdeu as suas antiquadas serifas de outros tempos, mas que ganhou uma colecção de minis “design” assinadas. É também um bom tipo para instituições e empresas governamentais que se dividem, aglomeram e transformam ao sabor das políticas nacionais, como o ICEP (desde 2 de Julho AICEP, que agora tem um logotipo versão-teste-de-daltonismo em Frutiger Light), e uma boa letra para empresas que, como a Galp Energia, face a fusões e aquisições, se tornaram em conglomerados cada vez maiores, com cada vez menos rosto, mas com uma cada vez maior dificuldade em encontrarem a sua própria… identidade.

Agências de publicidade, empresas de branding, designers de comunicação em regime freelance ou em colectivo tentam todos os dias encontrar, e aplicar, essa(s) identidade(s), em prazos cada vez mais curtos para empresas com cada vez menos tempo e, face à crise da qual tardamos a sair, cada vez menos dinheiro disponível para “se encontrarem”. Talvez seja essa falta de tempo e de dinheiro que leve a um visível défice de atenção tanto para com o passado, como para com o presente, e talvez mesmo uma escassez de inspiração dos designers de comunicação nacionais. Pois se alguns designers admitem trabalhar, quase como princípio, com um leque muito limitado de tipos de letra (geralmente os “clássicos” como Didot, Bodoni, Futura ou Helvetica) outros parecem simplesmente ter preguiça – ou será medo de arriscar? – em procurar novos tipos de letra, de imagens, de linguagens, de coisas. Se muita gente diz que a Dax “já não se aguenta”, que é datada, superficial, nineties, etc, porque é que ainda há pouco levámos com o Telmo Correia e os seus slogans em Dax distorcida nas ruas de Lisboa, e “nos encontramos” com rótulos e caricas e toda a parafernália identitária Sagres por todo o país, a partir deste Verão forrado de Dax?

Não é que eu ache que a Dax não tenha “serifa por onde se lhe pegue” – porque não tem, e contra factos não há argumentos – ou que outros tipos de letra usados e abusados por designers e pessoas com acesso ao Microsoft Word sejam de forma alguma intocáveis, ou que esteja ainda a fazer da Dax o “tipo expiatório”. Mas quando qualquer designer de comunicação realiza um trabalho, concretiza um output, está, mesmo que não tenha essa noção, a contribuir para o património e para a paisagem gráficos a nível local, regional, nacional ou mesmo global. Com efeito, ao potencial alcance do seu trabalho deve corresponder (pelo menos) uma proporcional reflexão sobre não só a forma, mas sobretudo a identidade, a personalidade, a unicidade das coisas que partilha com – potencialmente – o resto do mundo. E isso requer informação, investigação, criatividade, investimento, trabalho. Ou seja, não deve limitar-se só a ir à lista de tipos – legais ou piratas – que tem instaladas no seu sistema, operativo e/ou mental, e escolher a que mais ou menos serve. O processo de design é por natureza um processo de escolhas, mas estas deverão enriquecer, em vez de limitar, o resultado final. E este será tanto mais enriquecedor – para todos nós – se essas escolhas forem feitas de forma inteligente, por designers que compreendam as várias dimensões do seu trabalho. Que sejam mais exigentes, não só com o que fazem, mas também com o que os rodeia. Que no fundo, olhem para além do seu sistema e nos dêem novos tipos. E isso, tipo, é menos difícil do que parece.

Texto publicado no site do MUDE – Museu do Design e da Moda / Colecção Francisco Capelo em Julho de 2007

www.mude.pt


1,315 Comments

  1. Friend, you need to read "Love Must Be Tough" by Dr. James Dobson. I just finished it. I am EXACTLY where you are. Be loving but firm. Make her choose. If you show her you are pulling away she will come to you. READ THE BOOK!!!!!!!!!!!!!!!

  2. Rubimascoio ti leggo proprio al contrario, per serie “ci crediamo Dei a prescindere, se non ora un giorno”Il che si chiama fideismo ed è la caricatura della Fede, come lo scientismo è la caricatura al cubo della ragione umana.Francesco

  3. At last! Something clear I can understand. Thanks!

  4. maru / 09 Aralık 2011güzeldi zevkle izledim.murat abi bi tavsiyede bulunmak istiyorum yerli malı’nda teknoseyirden bu levent pekcan’la bi röportaj gerçekleÅŸtirsen aynı bu program gibi ? çok süper olur ben levent pekcanın o commodore 64 oyunlarını felan anlatışına hayranım hemde senin gibi bu iÅŸin dinazorlarından bilgisine hayran oldugum bi kiÅŸi umarım okursun..Cevaplamak için giriÅŸ yapın

  5. Chaga mushroom dinner may have been taught a great deal of globally by indicates of Euro contributor Alexandr Solzhenitsyn michael’s narrative ‘Cancer Ward’ exactly exactly where the large person could alleviated linked with types of cancer among help from this specific coffee. Chaga Mushroom

  6. Tusen takk, Hanne. Dette var moro. Skjønner at du er mye yngre enn jeg. I 1984 fikk jeg mitt første barn! Jeg gleder meg til fortsettelsen. Jeg tror faktisk jeg skal sitte helt stille her på hytta og bare vente på neste episode.:-)

  7. Hello Jeff,We enjoyed your German for Travelers class last Winter and enjoyed our trip to Germany.We found Ed’s family and are going back this May. I want to learn some German to help communicatewith the matriarch who is also the fount of family knowledge. Can you suggest a book I could “Do it myself”as I know you are coming into second semester classes soon. Thanks for any help!Barbara and Ed Peters

  8. I might be beating a dead horse, but thank you for posting this!

  9. sept 23, 2012 – Il faut dire que l’image sur laquelle la vidéo est stoppée sur le blog porte à confusion, je pensais à des allusions perverses au départ ^^Merci pour la découverte, je ne verrais plus ceux de la TEC de la même façon non plus Je me lève tot pour avoir une bonne place demain :LOL le bus qui fait des dérappages

  10. gosto muito de fazer roupas de festas tenho uma filha modelo fotografico e todas as roupas dela dos desfiles sou eu que faco e tambem faco moda gostaria muito de postar meus vestidos em meu blog mas nao estou conseguindo fazer voces podem me ajudar?

  11. There’s nothing like the relief of finding what you’re looking for.

  12. wazzup my dudey frenz!!!! my supergroup band would beZarir Warden from da otha ppl – vocals- he;s one shit ass dude!!!Bryan Adams- guitarJon Bon Jovi- guitarThat no doubt basey bcecause he is the indian and im proud to be the indian- BassNikita Sorabji(unemployed)- she bang drums really well… she bang everythin really well!!!!they do bubblegum rock!!!!! Go Zarir!!! Go Niki!!! keep busy , keep busy!!!!!

  13. Might sometimes have something to do with naval war “games”. The percussion from bombs and loud sonar can do a number on them. I don’t mean just the U.S.’s navy either.

  14. the only issue i’ve had with way low watt amps, is yes you can push them at a much lower volume. (great for rock in a small club) however if your running delays in a modern worship vibe, the delays won’t sound good. its like running delay before an overdrive pedal.

Leave a Reply