1/4 Vigor

© McCann Erickson Portugal

No início dos anos 1980, Miguel Esteves Cardoso (M.E.C.) tinha uma coluna no jornal Expresso, A Causa das Coisas, onde falava das causas e das coisas que faziam do nosso país Portugal. Esta era uma delas: “Existe em Portugal um leite autêntico, branco e espesso, que ainda simboliza, de modo intacto, a privilegiada relação entre o ser Humano e o ser Vaca. Chama-se «Vigor» e vende-se, como é desejável e exemplar, em garrafas.” Como os tempos, as coisas e os leites mudaram.

Registado em 1951 como “Leite Especial Vigor Pasteurizado”, o leite Vigor respondia ao gosto por leite fresco da comunidade britânica residente no eixo Estoril-Cascais-Sintra, bem como das elites europeias aí exiladas durante a II Guerra Mundial. Inicialmente só distribuído porta à porta, em garrafas de vidro, chega mais tarde a pastelarias, cafés e outros estabelecimentos da região de Lisboa em garrafas de um, meio e quarto de litro.

É então que nasce o 1/4 Vigor, o da garrafa de vidro grosso e da tampa mole de alumínio. Durante décadas, e não obstante o leite (e durante algum tempo, o iogurte) Vigor ter sido vendido noutras embalagens, o pedido “um quarto de Vigor” era respondido com apenas um produto, uma embalagem, uma imagem.

Com a viragem do século, a Lacticínios Vigor é integrada na Lactogal, o maior grupo português do sector. A marca Vigor é relançada e passa a chegar também a supermercados de todo o país.

O novo alcance geográfico da Vigor obrigou à escolha de uma nova embalagem. Exploradas outras tipologias, as garrafas de vidro perderam para os pacotes Tetra Top da TetraPak: mais leves, fáceis de transportar e reciclar, mais higiénicos e capazes de suportar o novo método de pasteurização introduzido em 2006. A última embalagem de vidro de 1/4 Vigor foi cheia em 2008.

Contudo, a garrafa não desapareceu. A forma tridimensional já “gravada na retina” dos portugueses deu lugar à imagem que se tornou num ícones do leite e do design português. Um ícone de contornos pouco definidos, como explica Dinamene Branco, directora de arte na agência de publicidade McCann Erickson: o projecto do original da garrafa, cujo autor se desconhece, foi sendo adulterado ao longo dos anos.

Coordenando desde 2006 o design da imagem e embalagens do leite Vigor, a designer revela como através de “pequenos toques” se tem dado continuidade a “uma embalagem que por si vive há anos”. Como o redesenhado logótipo, que adoptou um novo tipo de letra, ou a “estampa antiga” da vaca que foi “digitalizada e trabalhada, sem perder o seu traço vintage“. Ou a garrafa, que vive, branca, sobre um fundo de cor plana. Ou melhor, vários fundos.

Dantes, leite Vigor era só um, como M.E.C. elogiava: “O leite «Vigor»não alinha em mariquices. Não há uma versão ‘Meio-gordo’ para aqueles gordos que gostariam de ser meios-gordos, nem ‘Magro’ para os meios-gordos que sonham ser magros. Só há uma versão: a gorda, a boa, a vigorosa.” Agora há Vigor para toda a gente: gordo, meio-gordo, magro, com cálcio, até de chocolate – cada um com o seu fundo. Afinal, como diz Dinamene, “o consumidor faz a necessidade”.

Quando há escolhas a fazer, o (bom) design ajuda, mas também condiciona. Exemplo disso é o fundo do leite Vigor magro, parte do redesenho das embalagens aquando do 60.º aniversário da marca: de azul-claro passou a cor-de-rosa. A gestora da marca, Maria José Patrício, explica porquê: “Por um lado, o cor-de-rosa é uma cor diferenciada (não existe outro leite cor-de-rosa), o que lhe garante maior destaque; por outro, a maior parte dos consumidores deste produto são mulheres, estando a cor associada a estetarget.”

A notável metamorfose de design pós-milenar do 1/4 Vigor reflecte a sociedade de consumo em que vivemos: menos e maiores empresas oferecem-nos mais produtos para responder às nossas necessidades e desejos. Porém, frequentemente, essa escolha é pouco mais do que uma bem projectada, ou bem vendida, ilusão. O mercado nacional do leite pasteurizado “do dia” prova-o: representa hoje menos de 4 por cento do total de leite consumido em Portugal e é dominado pela Lactogal, que através da marca Vigor detém 86 por cento das vendas. Ou seja, de uma limitada embalagem de âmbito regional, a garrafa de 1/4 Vigor passou a simbolizar a quase hegemonia de uma marca nacional num muito simbólico mercado.

O que dá um novo significado a outra antiga, mas ainda actual frase de M.E.C.: “É este o leite que suporta, quase sozinho, a responsabilidade simbólica do leite em Portugal. Assiste, sereno, à facilidade com que a nação renunciou ao seu direito de leite fresco.”

BI
1/4 Vigor

Design
McCann Erickson Portugal

Cliente
Lactogal

Datas
2006-2008 (transição das garrafas de vidro para embalagens actuais)
2011 (último restyling — 60.º aniversário)

+info: www.lactogal.pt

6 Comments

  1. I got this website from my friend who informed me on the topic of this website and
    at the moment this time I am visiting this website and reading
    very informative articles at this time.

  2. Most of all, make certain that the protection tht you have
    bought will probvably be enough tto your death beccause sometimes, the insurance
    coverage benefit thatt beneficiaries receive are insufficient for that recovery with the loss and thhe expenses laid
    upon byy it. Pressure washing will also go far iin cleaning out the grime that builds up over many
    years of seasonal weather. Reverse mortgages aare the simple and effective way to possess a residence over
    thee last phase of your respective life.

  3. Wow, superb weblog layout! How long have you been running a blog for?
    you made running a blog look easy. The entire look of your web site is excellent, let
    alone the content!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *