Logótipo do Ministério da Cultura

Logotipo Ministério da Cultura

Durante a última campanha eleitoral, quando Francisco José Viegas considerou fundamental (numa conversa com o PÚBLICO) “libertar a cultura do peso excessivo dos decisores do Estado”, dificilmente pensava na identidade visual do organismo que o seu Governo viria a extinguir. Mas devia.

É que esta é uma das mais pesadas heranças que os antecessores do novo secretário de Estado da Cultura lhe deixaram. Apagá-la ou redesenhá-la será uma tarefa hercúlea, tanto em termos simbólicos como logísticos. Por isso terá de ser bem desempenhada.

O logótipo do ex-ministério, o seu mais conciso e importante símbolo, vive desde 1997 em paredes de departamentos, museus e monumentos, em cartões de visita, cartazes, telões, anúncios, relatórios, livros ou em ecrãs de cinema, de televisão, de computador. E não nos livraremos dele tão cedo.

Proposta vencedora de um concurso promovido pelo primeiro ministro da Cultura, Manuel Maria Carrilho, este projecto de Ricardo Mealha é composto por um monograma – um M, um | e um C – e pelas palavras Ministério da Cultura, escritas em versaletes (letras com forma de maiúsculas e peso de minúsculas). Designers mais atentos verão nas suas duas letras truncadas e uma linha influências do logótipo do Museu d”Orsay; Mealha inspirou-se antes na marca Armani Exchange.

Longe de pensar um ministério como uma marca de roupa, Mealha propôs um logótipo que comunicasse “que não se estava a brincar à cultura em Portugal”. Mesmo desafiando ortodoxias (como a ortodoxia da tipografia), este deveria expressar o lugar do poder da cultura no país. “Não era um logótipo brincalhão ou “minimal”, era um logótipo que deveria traduzir uma forte presença de Estado.” O C dourado falava “não de luxo ou ostentação”, mas de “valores seguros e duradouros”. De um ministério que vinha para ficar.

Entre as identidades ministeriais igualmente (re)desenhadas nos anos seguintes – muitas também tornadas obsoletas -, esta foi a que maior valor simbólico ganhou junto da comunidade que envolve. Afinal, a colocação de um logótipo – num cartaz de uma peça de teatro, na primeira página de um catálogo, na capa de um disco – é muitas vezes a prova mais tangível de apoio estatal de uma manifestação, produto ou entidade cultural. E, também, uma expressão da dimensão simbólica da cultura no Governo de um país.

Mas nem sempre o Governo se satisfez com uma leve e simbólica afirmação de poder. Em 2006, a então ministra Isabel Pires de Lima convidou Mealha a reforçar a identidade do ministério a nível horizontal (Governo) e vertical (seus organismos e dependências), fazendo com que equipamentos como a Biblioteca, a Cinemateca e os Teatros Nacionais tivessem identidades análogas à do Ministério. Mealha sugeriu antes a manutenção de cada identidade e sua associação ao elemento “em versaletes” do logótipo. Não aceite a sugestão, ele acabou por coordenar o design de 12 novos logótipos. Nem todos foram aplicados pelos respectivos dirigentes.

Nada que o surpreenda, aliás: “Esta profusão de logótipos não tinha necessariamente a ver com as necessidades do Estado, mas com as do Governo”, além de obedecer não à lógica de “uma imagem de Estado, mas de empresa”, onde a hierarquia prevalece à autonomia. Algo tornado evidente pelos pouco simbólicos protestos e mudanças de direcção nestas instituições.

Não existindo mais M|C, que fazer com o que resta? “Esta é a melhor altura para pensar nisto”, diz Mealha, propondo a criação de um think tank de designers, de gerações e abordagens diferentes” que, com “o moderador certo”, cheguem a “um consenso e proponham uma nova organização para a imagem do Estado português, válida para os próximos 20-30 anos”. Um trabalho colectivo, “não do atelier A, B ou C”, que faça “com que tudo funcione melhor”.

Não é definindo – “de cima para baixo” e por decisores como o actual secretário de Estado da Cultura – a identidade de todas as instituições do Estado que se melhora a sua comunicação; para Mealha, equipamentos como teatros ou museus “deverão ter uma imagem que seja adequada” à sua natureza, história, local e públicos que, como tal, seja decidida e implementada de forma autónoma.

A nível estatal, valerá a pena investir na criação de um sistema flexível, duradouro, fácil de entender, implementar e adaptar a mudanças governamentais – não necessariamente institucionais – que minimize danos e maximize ganhos na relação simbólica, e gráfica, entre governo e cidadãos. Amanhã é segunda-feira: não esperemos mais tempo.

BI
Logótipo Ministério da Cultura

Design
Ricardo Mealha

Cliente
Ministério da Cultura

Datas
1997 (implementação após selecção por concurso)
2005-2008 (identidades de 12 organismos dependentes do ministério)



2,963 Comments

  1. pos system wrote:

    Hello.This article was really remarkable, especially since I was browsing for
    thoughts on this topic last Saturday.

  2. I like the sweater. And it’s true about older clothing being much better… a lot of my mom’s things are still holding up (although I wouldn’t want to wear ALL of them- there were hits and misses in the 80’s. Haha). -kimberleighROSEyellow, white, red ROSESkimberleighrose.blogspot.com

  3. Easy to read, full, actionable and precise!

    my blog post; seoul taco truck

  4. Florence wrote:

    You additionally need a great, tough groundwork when you are
    actually operating to create reader ability.

    Also visit my web blog :: poolaviation.com, Florence,

  5. When I wrote this post, 150 people had responded to the and 75% of those expressed interest in a new -based data/time API for . Since then, nearly 700 responses have been tallied and over 75% (78%) have expressed the strongest favorable opinion ("very critical") and another 11% have expressed the favorable opinion ("nice to have"). Having nearly 90% of the respondents voting favorably seems pretty convincing that Java developers want in .

  6. You do not have to devote hrs with a telephone clairvoyant to get crucial
    insights and also response to your inquiries.

    Here is my web blog – http://www.clubrunner.ca

  7. Alba wrote:

    Although a large community and split by the I-15 freeway, Rancho Bernardo continues to take the
    extra step to make the neighborhood nicer for the community.
    Investing is a critical decision because this can cause a big
    impact on you and your family, socially and financially.

    Because of this, you’re often safer investing in a private realtor than a big-name company.

  8. Better blog…Some habits are good for you and others are not. The same is true for your blog. Some of your blogging habits, meaning those things you do repeatedly, are good for you and your blog’s growth and improvement while others are distractions that stop you …

  9. Сэнсэй:«ÃÂ•ÃÂ¡ÃÂ¢ÃÂ¬ ЛЮДИ КОТОРЫЕ ЛОЖИТ ТУДА ДЕНЬГИ РАДИ РАЗВЛИЧЕНИЕ»ÃÂ¯ как раз таких людей и называю дур..ами, не знаю ни одного здравомыслящего человека который ради развлечения будет отдавать кому то деньги, тем более отдать в МММ 2011.

  10. The ?ards can be utilized to better know thyself.
    Insi?hts and suggestions may pop up as we stray from our
    regu?ar routines. Cups are related astronomically ?ith
    water. Finding a tarot card master is not an easy job.

    my web site; asknow psychic revi?w (onlinepsychicmediumreadings.tumblr.com)

  11. The words free telepathic passion reading” could conjure up pictures of a gypsy resting at a small, round dining table covered with a red and also gold tablecloth covered along with a clairvoyance.

    Also visit my webpage – http://www.gnr-uk.com

  12. Brenda wrote:

    Allow the beads to fall to the center of the thread.

    Look at my web-site; Hot Tomato Jewellery (Brenda)

  13. we like to honor quite a few other world-wide-web internet sites around the internet, even if they aren’t linked to us, by linking to them. Under are some webpages really worth checking out

Leave a Reply