UMM Alter II

Foto@Lusa/Paulo Novais Infelizmente não pudemos usar esta fotografia para ilustrar o artigo. Fonte: http://noticias.sapo.pt/foto/1159451/

Durante a cerimónia militar comemorativa do Dia de Portugal, celebrada este ano em Castelo Branco, o Presidente da República fez a habitual revista às tropas num UMM Alter II. Como Cavaco Silva sabe, este não é só um veículo das Forças Armadas. É um veículo português. Melhor dizendo, é uma relíquia automóvel portuguesa.

A empresa União Metalo-Mecânica começou em 1977 a produzir o Cournil, um jipe-tractor francês de tracção às quatro rodas usado na agricultura, indústria e serviços. Em 1985 convidou Carlos Galamba para redesenhar o então chamado UMM Cournil. O arquitecto, que anos antes tinha projectado o Sado 550 – a outra grande aventura automóvel portuguesa -, começou então o que chama de um “processo de civilização”.

“Quando uma mulher pudesse guiar um jipe sem problemas”, diz Galamba, a UMM teria “civilizado o mercado” destes veículos, tornando-os mais acessíveis e apetecíveis a um público mais alargado. Apesar de a fábrica “não ser uma serralharia grande”, trabalhou com grandes limitações técnicas: “Quase nada se podia mexer – mas isso é que tinha graça”. Tornou o jipe mecanicamente mais homogéneo, centralizando fornecedores e fornecimentos mecânicos, desde os motores Peugeot à base de climatização de uma Renault 4L e a elementos de “marca branca”. Aliou chapa de aço estampada e quinada para ultrapassar deficiências de rigor no fabrico, aliviando “a todo o custo o excesso de “metal””. Redesenhou pára-brisas e tabliers. Humanizou interiores.

Mais civilizado, climatizado e eficiente que o seu antecessor, o Alter II não deixou de ser um “carro para toda a obra”. Lançado em 1986, chega em pouco tempo a todo o país e a França, o seu principal mercado de exportação, à Europa e aos PALOP. Usado na estrada e fora dela, em competições desportivas e manobras militares, torna-se no mais produzido e conduzido automóvel projectado e fabricado em Portugal. Hoje estima-se que haja mais de 30 mil no mundo.

O Alter II foi também um exemplo de como a guerra, e não só o consumo, faz avançar a tecnologia, a indústria e o design. Cada veículo-base foi desenvolvido para se adaptar às necessidades de várias forças armadas, incorporando elementos como luzes deblackout, gancho de reboque militar ou de helitransporte, mas também armas – metralhadoras pesadas ou lança-mísseis.

Alguns foram à guerra, como na guerra civil angolana. Outros mantiveram a paz em missões da ONU em Moçambique e na Bósnia. Muitos mais foram adaptados a funções civis – ambulâncias, veículos de bombeiros, de manutenção da rede eléctrica ou das forças policiais.

Contudo, a civilizada robustez e versatilidade do Alter II não evitaram que, ao longo dos anos 1990, a UMM perdesse terreno a nível tecnológico e competitividade nos mercados internacionais. Num país em pleno processo de integração europeia e num mercado mais aberto e agressivo, a UMM perdeu também o apoio estatal de que gozou durante anos, tanto em encomendas como em protecção fiscal. Em 1992, o segundo Governo do então primeiro-ministro Cavaco Silva falha a promessa de apoiar o financiamento de um novo protótipo (o Alter III, que não passou dessa fase) e de fazer novas encomendas. Um ano depois, a GNR opta, num concurso público para a aquisição de centenas de jipes, pelo japonês Nissan Patrol (feito em Espanha). Em 1994 a UMM passa a fabricar veículos apenas por encomenda. Em 2006 termina definitivamente a produção automóvel.

Dizer que o Alter II é um veículo todo-o-terreno com uma história acidentada é pouco, e o seu designer reconhece-o. Contudo, não olha para trás com amargura: incutiu no seu projecto, que descreve como “um trabalho mental de relação de operações”, um grande pragmatismo e modéstia, rejeitou modismos e fazer “qualquer coisa para encher o olho”. Nunca teve sonhos de grandeza, os quais sabia não estarem ao alcance da própria UMM. Aceitou os desequilíbrios do produto final como algo que o caracteriza. Mas não pôde controlar o destino do seu cliente.

Hoje, 25 anos depois do seu nascimento, o Alter II vive. Sobretudo em dias especiais e cerimónias militares como as de 10 de Junho, em que o Presidente da República faz questão em usá-lo. Mas também nas garagens, fóruns da Internet, estradas e encontros, onde aficcionados desta marca continuam a arranjar, discutir, estimar e usar milhares destas relíquias automóveis portuguesas. Todos os dias. E isso é um triunfo do design.

BI
UMM Alter II

Design
Carlos Galamba

Cliente
UMM – União Metalo-Mecânica

Datas
1986 (lançamento Alter II)
2005 (novo distribuidor: Europeças)
2006 (retirada da UMM do sector automóvel)

+ info: www.clubeumm.com

9 Comments

  1. I believe everything posted was actually very logical.
    However, think on this, what if you were to create a killer headline?
    I mean, I don’t want to tell you how to run your website,
    but what if you added something to maybe get people’s attention?
    I mean UMM Alter II – Frederico Duarte is
    a little vanilla. You should glance at Yahoo’s front page
    and watch how they write news headlines to get viewers interested.
    You might add a related video or a related pic or two to grab readers excited
    about everything’ve written. In my opinion, it might bring your website a little bit more interesting.

  2. I enjoy, result in I discovered just what I used to be taking a look for.
    You have ended my four day lengthy hunt! God Bless you man. Have a nice day.
    Bye

  3. Appreciating the hard work you put into your
    site and detailed information you provide. It’s great to come across a blog every
    once in a while that isn’t the same unwanted rehashed
    material. Wonderful read! I’ve saved your site
    and I’m including your RSS feeds to my Google account.

  4. Humana People to People generates their job to develop under-developed countries around the world with presenting coaching
    to primary school instructors and tradesmen,
    making an effort to recommend good health and distribute understanding of HIV as well as to assistance in even more rising the places farming.
    Humana People to People takes on many various activities and goals all over
    exhausted places in nations from around the world. By cooperating
    with the local people and also their governing administration, they could support individuals who’re in need
    of help thru their non-profit assistance corporations. China
    is one kind of many nations the non-profit agency comes to confront
    the demanding troubles that they struggle with currently.

    The Humana People to People Movement works with The Federation for Organizations from the Yunnan province in China.

    The project first commenced in 2005 and proceeds all
    through currently. The Humana People to People Assistance Work Agency of
    the Yunnan Region operates to raise resources to run numerous plans throughout
    the area around poverty-stricken locations. Several commissions which Humana People
    to People works to take to this particular region of China
    contain trade coaching centers in which they can advance their training, planning them to get work opportunities, offering specifics of infected illnesses and more.

    Humana People to People first began executing their projects within China during 2007.
    One of the initial projects which was assumed was the Malaria
    project which directed to deliver worthwhile knowledge and protection about
    the sickness to location residents. A Group Ability Development and Child Aid plan was next started in Zhenkang.

    A wonderful 13 plans were initiated in 2010 for some from the largest poverty-stricken places
    in the area. In addition to the Yunnan Province, commissions were started in the
    Sichuan Province, Chongqing Area and Guangdong Area.

    Currently, a few activities that Humana has taken on within China includes attention in rural locations,
    earlier youthful education that is intended to
    bring Chinese children a lead on their road to achievement, establishing safer
    roads for Humana toddler children, offering fast HIV checking, starting farmer
    organizations and increasing cash with charity occasions like the
    Comedy Club China Charity Show. Today, there are 11 tasks increasingly being
    executed all through 3 provinces in China also in above 128 towns.
    Together with 280 cumulate recipients, People to People delivers expect and also a better
    future to these poverty-stricken countryside locations.

  5. I was recommended this website by way of my cousin. I am now not
    sure whether this publish is written by him as no one else know such unique about
    my difficulty. You are amazing! Thanks!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *