Cartão de Cidadão

Quem hoje usar este pedaço de plástico para se identificar – esperemos que sem percalços – na sua secção de voto tem na mão o substituto dos antigos bilhete de identidade e cartão de eleitor (e cartão de contribuinte, de beneficiário da segurança social e de utente do serviço nacional de saúde). Mas também a ponta de um gigantesco icebergue de números, letras, imagens e símbolos que, impressos no cartão ou inseridos no seu chip, constituem o mundo de registos da nossa biologia e história pessoais. Só por isso o cartão de cidadão é mais do que uma manifestação da burocracia em que assenta a nossa democracia: é um mediador entre a nossa existência física e digital.

É também um daqueles objectos, produtos, serviços e sistemas que dão forma ao nosso quotidiano de uma forma tão discreta e anónima que julgamos terem surgido por geração espontânea, ou como resultado de um acto administrativo. Mas não, eles foram projectados por profissionais que trabalham, todos os dias, no design do nosso país. É a eles, e ao seu trabalho, que daremos aqui destaque ao longo das próximas semanas.

Um destes profissionais chama-se Henrique Cayatte. Como designer do cartão de cidadão, ele não projectou as máquinas que já registaram a altura, rosto e impressões digitais de mais de cinco milhões de cidadãos. Ou o site cartaodecidadao.pt. Ou o leitor com que podemos aceder em casa aos nossos dados. Estes e demais dispositivos de um sistema complexo foram projectados por centenas de outras pessoas, portugueses e estrangeiros. Cayatte ficou com o pedaço de plástico.

Quando em 2005 o vasto portfolio do seu atelier já incluía outras encomendas do Estado e do Governo, o Ministério da Administração Interna convida-o a coordenar o design do passaporte electrónico português e de um novo cartão de identificação.

Desenvolvidos simultaneamente, os dois documentos ostentam características, elementos e símbolos comuns. Entre eles estão o escudo português (simplificado, sem besantes), as meias coroas de louros que se complementam ou os tipos de letra Merlo e Flama, criados pelo designer de tipos português Mário Feliciano.

Mas nem tudo está à vista. “Nem imaginam o quanto eu desenhei que não se vê,” diz Cayatte, ao referir os mais de 30 dispositivos de segurança fizeram do passaporte que projectou o mais avançado do mundo quando foi lançado em 2006. Poderia estar também a falar da informação em Braille que permite distinguir de imediato frente e verso do cartão de cidadão. Ou à mudança de tom de azul entre séries de cartões, outro subtil “erro intencional” contra a falsificação.

Constrangimentos de segurança e normas internacionais de formatação de dados reduziram as margens de manobra no design do documento, já pequeno para tanta informação. Exemplo: a reduzida dimensão dos seus números e letras que, segundo Cayatte, foram ainda assim impressos no maior tamanho possível tendo em atenção as áreas previstas e disponíveis: “A linha dos algarismos (na frente) só podia ser uma e, naquele sítio, e os restantes elementos não podiam ser reduzidos ou mudar de lugar. Esta é a legibilidade máxima que se consegue com estas variáveis.” A legibilidade é acentuada através de dois níveis essenciais de leitura, em que a cor é usada para distinguir informação secundária (impressa a azul claro) de informação pessoal e principal (a preto).

Contudo, a maior conquista de Cayatte no design deste pedaço de plástico não foi “propor o sítio onde está o chip” ou determinar campos e parâmetros para a impressão de letras e números. Foi talvez a maneira como juntou, num documento com o qual nos identificamos enquanto indivíduos e enquanto povo, a informação que nos define aos símbolos que definem o estado-nação a que pertencemos. Por agora.

É que se o projecto de um símbolo nacional como este poderia ser o auge da sua carreira, Cayatte não tem ilusões sobre a grandeza ou perenidade do seu trabalho. Justificando com a máxima “o que o Homem fabrica, o Homem falsifica,” sabe que tanto a natureza humana como o inexorável avanço da tecnologia fazem com que a favor da salvaguarda das qualidades mais importantes deste documento e do sistema a que pertence – autenticidade e inviolabilidade – a sua vida seja limitada a alguns anos. Como tal, é apenas uma questão de tempo até que este cartão seja actualizado, substituído, redesenhado. Algo em que pensar no dia em que muitos de nós usam este pedaço de plástico para exercer o dever de cidadania.

BI
Cartão de Cidadão

Design
Henrique Cayatte Design

Cliente
Ministério da Administração Interna / Imprensa Nacional Casa da Moeda

Datas
2005 (encomenda)
2006 (lançamento)
2007 (implementação)

+ info: www.cartaodecidadao.pt

20 Comments

  1. Merhaba sadece çabuk bir bak?? aç?s? kazand?rmak
    okunu?u birkaç resimlerin kusursuz yüklenmedi?ini anlatmak
    istedim. illet emniyetli de?ilim ama bence onun irtibatl? bir kez
    meselesi var. ?ki de?i?ik taray?c?da denedim
    okunu?u her ikisi de ayn? sonucu gösteriyor.

  2. I’m very pleased to find this web site. I wanted to thank you for ones time for
    this wonderful read!! I definitely loved every little bit of it and i also have you book-marked to check out new things on your
    website.

  3. It may seem for a government too demand that the internet service provider (ISP) report
    any customer who might download child pornography.

    Take away hate, greed, envy, and fear and repace all of them with love and kindness we can easily do it its as much as us to improve to get a better tomorrow.
    Largest English speaking IT talent hub in the world, based on NASSCOM report.

  4. Try to make use of search engines to locate relevant links – as opposed to utilizing GSA SER’s pre-defined authority
    web links, you could allow the software application look for special ones, or you can also import your personal authority URLs
    by ticking the Own URLs” checkbox then clicking the Edit”
    web link close to it.

  5. That is very fascinating, You’re an excessively skilled
    blogger. I’ve joined your rss feed and look forward to seeking
    extra of your wonderful post. Also, I have shared your web
    site in my social networks

  6. It doesn’t matter in places you understand it from – newspapers, other websites and news sources, whatever.
    There are many blog networks around where yyou can submit you and
    market your blog. The informal kind of a blog gives Internet consumers a chahce to gett
    acquainted with the people who are behind the organization better, that makes it easier to
    allow them to trust you and also spend monwy on your site.

  7. Useful information. Fortunate me I discovered your site accidentally, and I’m shocked why
    this accident didn’t came about in advance!
    I bookmarked it.

  8. If you don’t have to pay for beginning players, just second or third place you can save money that way.
    The late twentieth century is herald to a age where multifunctional gadgets
    can fit in one’s pocket. If you have lost a couple of spins playing black and red,
    another win is not a long way away but do set your limit to try out with.

  9. I had understood for a long period of time that my right leg is actually just 2
    or 3 millimeters much shorter compared to the correct one.

  10. Upcoming New Releases: Going with the same concept
    above, in case you have a pal in radio or are just really ahead of the curve musically, you may produce a site that lists and describes the upcoming new album
    releases. Anyone can compose and talk about any topic, from hobbies to political vies.
    The informal design of your sie gives Internet consumers a chance to become familliar with individuals who’re
    behind the business better, so that it is easier for them to trust you and also put monwy into your site.

  11. The Copywriters Guild is an efficient tool
    to get but I think it’s most successful when and when you as a possible individual want to step out in to the arena of individual ad copy creation. Since the unprocessed trash are eventually going to be depleted, similar jobs in other industries are
    also sought. That’s exactly the way you women entrepreneurs want people
    react when visiting our sites.

  12. Thanks for any other informative web site. The place else could I get that kind of info written in such a perfect way? I’ve a project that I’m simply now operating on, and I have been on the glance out for such information.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *