UMM Alter II

Foto@Lusa/Paulo Novais Infelizmente não pudemos usar esta fotografia para ilustrar o artigo. Fonte: http://noticias.sapo.pt/foto/1159451/

Durante a cerimónia militar comemorativa do Dia de Portugal, celebrada este ano em Castelo Branco, o Presidente da República fez a habitual revista às tropas num UMM Alter II. Como Cavaco Silva sabe, este não é só um veículo das Forças Armadas. É um veículo português. Melhor dizendo, é uma relíquia automóvel portuguesa.

A empresa União Metalo-Mecânica começou em 1977 a produzir o Cournil, um jipe-tractor francês de tracção às quatro rodas usado na agricultura, indústria e serviços. Em 1985 convidou Carlos Galamba para redesenhar o então chamado UMM Cournil. O arquitecto, que anos antes tinha projectado o Sado 550 – a outra grande aventura automóvel portuguesa -, começou então o que chama de um “processo de civilização”.

“Quando uma mulher pudesse guiar um jipe sem problemas”, diz Galamba, a UMM teria “civilizado o mercado” destes veículos, tornando-os mais acessíveis e apetecíveis a um público mais alargado. Apesar de a fábrica “não ser uma serralharia grande”, trabalhou com grandes limitações técnicas: “Quase nada se podia mexer – mas isso é que tinha graça”. Tornou o jipe mecanicamente mais homogéneo, centralizando fornecedores e fornecimentos mecânicos, desde os motores Peugeot à base de climatização de uma Renault 4L e a elementos de “marca branca”. Aliou chapa de aço estampada e quinada para ultrapassar deficiências de rigor no fabrico, aliviando “a todo o custo o excesso de “metal””. Redesenhou pára-brisas e tabliers. Humanizou interiores.

Mais civilizado, climatizado e eficiente que o seu antecessor, o Alter II não deixou de ser um “carro para toda a obra”. Lançado em 1986, chega em pouco tempo a todo o país e a França, o seu principal mercado de exportação, à Europa e aos PALOP. Usado na estrada e fora dela, em competições desportivas e manobras militares, torna-se no mais produzido e conduzido automóvel projectado e fabricado em Portugal. Hoje estima-se que haja mais de 30 mil no mundo.

O Alter II foi também um exemplo de como a guerra, e não só o consumo, faz avançar a tecnologia, a indústria e o design. Cada veículo-base foi desenvolvido para se adaptar às necessidades de várias forças armadas, incorporando elementos como luzes deblackout, gancho de reboque militar ou de helitransporte, mas também armas – metralhadoras pesadas ou lança-mísseis.

Alguns foram à guerra, como na guerra civil angolana. Outros mantiveram a paz em missões da ONU em Moçambique e na Bósnia. Muitos mais foram adaptados a funções civis – ambulâncias, veículos de bombeiros, de manutenção da rede eléctrica ou das forças policiais.

Contudo, a civilizada robustez e versatilidade do Alter II não evitaram que, ao longo dos anos 1990, a UMM perdesse terreno a nível tecnológico e competitividade nos mercados internacionais. Num país em pleno processo de integração europeia e num mercado mais aberto e agressivo, a UMM perdeu também o apoio estatal de que gozou durante anos, tanto em encomendas como em protecção fiscal. Em 1992, o segundo Governo do então primeiro-ministro Cavaco Silva falha a promessa de apoiar o financiamento de um novo protótipo (o Alter III, que não passou dessa fase) e de fazer novas encomendas. Um ano depois, a GNR opta, num concurso público para a aquisição de centenas de jipes, pelo japonês Nissan Patrol (feito em Espanha). Em 1994 a UMM passa a fabricar veículos apenas por encomenda. Em 2006 termina definitivamente a produção automóvel.

Dizer que o Alter II é um veículo todo-o-terreno com uma história acidentada é pouco, e o seu designer reconhece-o. Contudo, não olha para trás com amargura: incutiu no seu projecto, que descreve como “um trabalho mental de relação de operações”, um grande pragmatismo e modéstia, rejeitou modismos e fazer “qualquer coisa para encher o olho”. Nunca teve sonhos de grandeza, os quais sabia não estarem ao alcance da própria UMM. Aceitou os desequilíbrios do produto final como algo que o caracteriza. Mas não pôde controlar o destino do seu cliente.

Hoje, 25 anos depois do seu nascimento, o Alter II vive. Sobretudo em dias especiais e cerimónias militares como as de 10 de Junho, em que o Presidente da República faz questão em usá-lo. Mas também nas garagens, fóruns da Internet, estradas e encontros, onde aficcionados desta marca continuam a arranjar, discutir, estimar e usar milhares destas relíquias automóveis portuguesas. Todos os dias. E isso é um triunfo do design.

BI
UMM Alter II

Design
Carlos Galamba

Cliente
UMM – União Metalo-Mecânica

Datas
1986 (lançamento Alter II)
2005 (novo distribuidor: Europeças)
2006 (retirada da UMM do sector automóvel)

+ info: www.clubeumm.com

6 Comments

  1. An impressive share! I have just forwarded this onto a friend who had been conducting a little research on this.

    And he actually ordered me breakfast simply because
    I discovered it for him… lol. So let me reword this….

    Thank YOU for the meal!! But yeah, thanks for spending the
    time to discuss this subject here on your internet site.

  2. I have been exploring for a little for any high quality articles or weblog posts
    in this kind of area . Exploring in Yahoo I ultimately stumbled upon this website.
    Reading this info So i’m glad to express that I have a very excellent uncanny feeling I
    found out just what I needed. I so much surely will make sure to
    don?t fail to remember this website and provides it a glance regularly.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *