A Gente Transforma a Várzea Queimada

Construção do Centro Comunitário – foto: Tatiana Cardeal

Quando o designer mais famoso do Brasil chegou a Várzea Queimada, uma remota povoação do também remoto estado do Piauí, foi recebido com foguetes, discursos, as chaves do município e forró. Marcelo Rosenbaum é praticamente desconhecido fora do seu país, mas mesmo no Piauí profundo não consegue andar na rua sossegado. A sua fama não vem tanto dos objectos ou interiores que projecta, mas do seu programa de televisão, onde melhora as casas e vidas dos telespectadores. Nessa noite ele começou, em Várzea Queimada, a segunda edição do A Gente Transforma (AGT), um dos mais ambiciosos e influentes projectos do design brasileiro de hoje e que também muda os lugares e as pessoas que lá vivem.

Rosenbaum não chegou sozinho. Trouxe arquitectos especialistas em permacultura, estudantes universitários, designers de produto portugueses e brasileiros, directores de arte, fotógrafos, jornalistas, uma equipa de realização e dois mestres espirituais. Os seus objectivos para as duas semanas seguintes passavam por beneficiar/ construir uma nova estrutura para a comunidade que servisse de exemplo para a construção e melhoramento de outras edificações, mas também para criar uma colecção e respectivo catálogo de produtos que possam gerar maior e melhor rendimento aos seus artesãos. E ainda um documentário e um livro com as histórias de quem chegou e de quem ficou.

Em pleno semiárido nordestino, a cinco horas de estrada de Teresina, capital do Piauí, Várzea Queimada é um povoado onde 900 pessoas — divididas entre duas famílias que incluem 47 surdos-mudos — vivem do que cultivam (quando chove), sem saneamento e com escasso acesso a água. Muitos jovens deixam a escola e partem para São Paulo à procura de trabalho, engrossando as favelas da cidade. Outros dependem de reformas ou de subsídios como o Bolsa Família. A única alternativa a esta dependência é produzir. As mulheres entrançam palha de carnaúba, uma palmeira local, e dela fazem chapéus, esteiras e outros objectos de uso comum. Os homens esculpem, a partir de borracha de pneu de camião, cópias de chinelos Havaianas que vendem na feira ou a caixeiros- viajantes que passam pela aldeia e levam o seu artesanato a toda a região.

Modernismo brasileiro útil
Marcelo Rosenbaum é conhecido não tanto pelas lojas, restaurantes e apartamentos onde conjuga, de forma tão extravagante quanto sofisticada, elementos da cultura urbana com clássicos do modernismo ou referências do imaginário popular brasileiro. Nem pelas suas linhas de produto e mobiliário. É famoso por causa de Lar Doce Lar, a rubrica mensal do programa O Caldeirão do Huck (Rede Globo) e uma espécie de Querido Mudei a Casa adaptado à escala, população e emoção brasileiras. E como a televisão chega a 99,5% dos 190 milhões de brasileiros, ele é visto por muita gente.

Rosenbaum tem empregue a sua popularidade em projectos que apelida de “design útil”. Um deles é AGT, estreado em 2010 no Parque Santo Antônio em São Paulo, onde foi dada uma nova cara ao entorno do único espaço de lazer da favela — o campo de futebol — com a ajuda de universitários, patrocinadores e media. Impressionado com os resultados, o Ministério da Integração Nacional convidou-o a levar o projecto à Chapada do Araripe, uma área dividida entre os estados do Ceará, Pernambuco e Piauí com um dos piores índices de desenvolvimento humano do Brasil. Com o aval do governo local e a participação da Agência de Apoio ao Empreendedor e Pequeno Empresário, que promoveu já muitos projectos de colaboração entre designers e artesãos, a Várzea Queimada foi escolhida pelo potencial dos seus artesãos.

Artesanato à sombra
Ali, e durante duas semanas, os arquitectos Henrique Pinheiro e Tomaz Lotufo e 18 estudantes conceberam e construíram uma casa dos artesãos, no que foi um processo colaborativo com a população local no projecto e na prática. Uma lavandaria abandonada deu lugar a dois edifícios, construídos em terreno público segundo critérios da permacultura — como adaptação ao relevo, (re)utilização de materiais locais, estruturas de sombra ou ventilação natural. Ergueram-se uma cisterna e açudes para reter as águas da chuva. Plantaram-se árvores, um coreto e um parque infantil. Chegada à madrugada do último dia do projecto, dia 15 de Fevereiro, nem tudo estava pronto, mas o futuro da casa, bem como do trabalho que será feito no seu interior, à comunidade pertence.

Na igreja da aldeia, os portugueses Pedro Ferreira e Rita João coordenaram o grupo de artesãs da palha. Na borracharia, do outro lado da rua, a designer de jóias piauiense Kalina Rameiro trabalhou com os artesãos da borracha. O resultado foi uma colecção de cerca de 30 peças destinadas ao mercado brasileiro da decoração. Esta não é, porém, uma colecção “assinada” por designers de fora e produzida por artesãos locais. Aqui, os designers foram os catalisadores de um processo de manufactura já encetado pelos artesãos: definiram com eles processos de construção, técnicas de manuseio e optimizaram a produção, mas também ampliaram a sua imaginação ao criar objectos utilitários e decorativos com novas dimensões, formas e acabamentos. Por fim, trabalharam a “artesania”, neologismo do ceramista brasileiro Gilberto Paim — “um grau alto de atenção ao detalhe e de cuidado na execução, oriundos de um senso peculiar de orgulho no trabalho, do prazer em fazer bem feito”. Objectivo: incutir nos artesãos a ambição de atingir novos mercados através da valorização do seu trabalho.

Próxima etapa: transformar o mercado, na segunda fase do AGT — apresentar a colecção em Abril durante o Salão Internacional do Móvel de Milão. Tendo como parceiro o gigante editorial Grupo Abril, Marcelo Rosenbaum quer que a mostra do AGT no mais importante evento de design do mundo acelere o reconhecimento e valorização do artesanato brasileiro no seu próprio país.

Outros nomes importantes do design brasileiro, como a curadora Adélia Borges(que acaba de publicar Design + Artesanato – o Caminho Brasileiro), têm defendido uma maior união entre o design e o artesanato como forma de projectar bens, mas também serviços e sistemas mais adequados aos recursos naturais, às realidades humanas e ao património cultural do seu país.

Sendo o Brasil o 5º maior mercado interno do mundo, esta é a altura certa para mudar as expectativas que os brasileiros têm dos designers e produtores dos seus bens de consumo, sejam eles pequenas comunidades de artesãos ou grandes marcas e indústrias.

Ao “colocar uma lente de aumento sobre Várzea Queimada”, Rosenbaum quer mostrar o talento e o potencial para produzir e criar riqueza dos brasileiros, mesmo em povoações remotas. Quer usar o design como ferramenta de negócio e assume: “A gente não vai fazer milagre.” Mas acredita que o impacto deste AGT será sentido em Várzea Queimada ao longo dos próximos 30 anos.

Este é um de dois artigos que escrevi sobre o projecto A Gente Transforma e que foi publicado no dia 26 de Fevereiro na Pública. Pode também ser lido no site do AGT.

10 Comments

  1. Have you ever thought about adding a little bit more than just your articles?
    I mean, what you say is fundamental and everything. Nevertheless imagine if you added some great photos or video clips
    to give your posts more, “pop”! Your content is excellent
    but with images and clips, this site could definitely be one
    of the greatest in its field. Wonderful blog!

  2. Excellent post. Keep writing such kind of information on your blog.
    Im really impressed by it.
    Hi there, You’ve done an excellent job. I will certainly digg it and personally recommend to my friends.
    I am confident they will be benefited from this web site.

  3. Also if you drop a lighter or lit cigarette to any upholstery
    then it’s more likely to leave a mark making your vehicle
    not look very clean. It is not uncommon to view your own development book title or
    two in reputable bestseller lists such as the one regularly posted from the New York
    Times. The Adrenal Care Daily Checklist and Diary helps remind you what you should do
    every day to deal with your adrenals.

  4. Have you ever thought about including a little bit more than just your
    articles? I mean, what you say is important and everything.
    But think of if you added some great images or videos
    to give your posts more, “pop”! Your content is excellent but with images
    and video clips, this site could definitely be one of the very best in its field.

    Very good blog!

  5. ??????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
    ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
    ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *